Nova coordenação da Pastoral Familiar do Regional Centro-Oeste é da Diocese de Ipameri

0
54

Reunida em Assembleia no dia 18 de maio, na sede do Regional Centro-Oeste da CNBB, em Goiânia, a Pastoral Familiar Regional elegeu sua nova coordenação. O casal Roberto Marinho Cirino e Darciene Barros Leão Cirino, da Diocese de Ipameri, foi eleito coordenador para o quadriênio 2019-2023. Para a vice-coordenação foi eleito o casal Silvio Carlos de Souza Carneiro e Aline da Silva Alarcão Carneiro, da Arquidiocese de Brasília.

Após a eleição, Roberto e Darciene comentaram a escolha dos seus nomes. “Entendemos que esse chamado vem de Deus e ele com certeza nos torna dignos de estar aqui, por isso vai nos capacitar e nos dar condições de conduzir essa missão”, afirmou Roberto. “Confiamos em Deus e ele é quem conduz a obra. Que possamos ser instrumentos do Senhor aqui na Pastoral Familiar do Regional Centro-Oeste”, afirmou Darciene.

O bispo auxiliar de Goiânia e referencial para a Pastoral Familiar, para o quadriênio 2019-2023, Dom Moacir Silva Arantes, disse que a nova coordenação assume com a expectativa de realizar a sua missão junto às dioceses. “A missão que os novos coordenadores têm pela frente é de apoiar as dioceses na implantação das equipes de Pastoral Familiar, na promoção do Evangelho da vida e da família e também na formação de agentes da pastoral”, afirmou o bispo. Segundo ele, o papel da nova coordenação é também ajudar as dioceses a concretizar esses objetivos e realizar o trabalho dentro dos três setores da Pastoral Familiar: Pré e Pós-Matrimonial e Casos Especiais. “Nós esperamos com essa nova coordenação, primeiro uma continuidade daquilo que de bom já está sendo feito e depois que essas pessoas tragam ideias e perspectivas que nos ajudem a enxergar novos caminhos”, afirmou Dom Moacir.

Da esquerda para a direita: Roberto, Darciene, Léo e Dóris

Padre Cleber Alves de Matos, da Diocese de Uruaçu e assessor eclesiástico da Pastoral Familiar Regional nos últimos seis anos, deverá ficar na função por mais um ano, até que seja escolhido outro sacerdote para a função. “Foi encerrado mais um ciclo de muito trabalho, encontros e visitas às dioceses. Temos muito trabalho pela frente e eu desejo êxito para a nova coordenação, embora eu continue com eles até ano que vem”, pontuou. O casal coordenador nos últimos dois anos, Leonardo Magalhães e Maria Dóris, da Arquidiocese de Goiânia, agradeceu pelo tempo em que estiveram conduzindo a Pastoral e comentaram que ainda há muito a ser feito. “Sempre é urgente cuidar da família, sempre tem o que fazer e nós estamos passando a coordenação para um casal que ama a família e é obediente a Deus, condições para assumir a função”, enfatizou Dóris.

Novo casal coordenador

Família e juventude
Ainda na entrevista, Dom Moacir esclareceu que o papel da Pastoral Familiar é cuidar da família como um todo, o que significa evangelizar além do casal, os filhos também. “Os protagonistas da ação evangelizadora da Pastoral Familiar são os casais, mas sua atuação envolve também todas as pessoas, portanto, precisamos descobrir na paróquia, na diocese e no regional uma forma de nos aproximar do Setor Juventude, para que possamos estar juntos acompanhando os jovens em seu processo de discernimento vocacional, de amadurecimento na fé, de estabelecimento do compromisso de transformação da realidade”, destacou. Ele continuou explicando que a Pastoral Familiar pode também ajudar os jovens em aspectos diversos da vida como crescer no amor, na consciência da afetividade e da sexualidade, e da espiritualidade em família. “Foi dito no Sínodo dos Bispos que os jovens querem uma família, então, como Pastoral Familiar, nós temos que ajudar a juventude a realizar esse desejo por meio do namoro, do matrimônio e da paternidade”.

Durante a Assembleia, os participantes também refletiram sobre a necessidade de a Pastoral estar mais próxima dos movimentos e demais pastorais da Igreja que atuam na evangelização das famílias. “Precisamos nos aproximar deles para colaborar, oferecer a nossa ajuda e colher desses movimentos também a sua colaboração na ação pastoral e evangelizadora da Igreja”, concluiu o bispo.